terça-feira, fevereiro 10, 2015

Mãe.




Agora pode caminhar..

Mãe, segure na mão de Deus e caminhe sem medo.
Deixa pra traz este mundo de tantas lutas e tantos sofrimentos.
Vai em paz e não olhe pra trás.
Mãe, meu anjo, minha guerreira, acabou este longo sofrimento que tanto a desgastou.
Já não existem limitações, dor, choros, nem barreiras.
Deus fez de seus atos um balanço e por mérito os aprovou.
Abrace o vovô, toda a família que tanto amou!
Usufrua do bem que fez e que só a abençoou...
Entregue-se a esta nova vida com a honra da plenitude.
E perpasse o mistério da morte, com o passaporte de suas nobres atitudes.

Mãe, saudade... muita, tanta, imensa, infinda, vai deixar...
Mas deixa também um exemplo de amor, de vida, superação, integridade, alegria, doação...E só lembrarmos, como era bondoso, simples, imenso, puro, corajoso seu coração.
Mãe... Este adeus é apenas um adeus temporário, provisório.
Logo ali na frente todos iremos felizes, te encontrar e abraçar.
As suas atitudes frente à vida serão sempre nosso espelho obrigatório.
A herança que deixou foi a sua imensa vontade de viver e sempre amar, doar e perdoar.

Agora pode caminhar...

Sempre vou ter amar do tamanho do mundo e muito mais.


Da sua “flor de maracujá”.

quinta-feira, janeiro 15, 2015

Testamento.



Minhas posses materiais são poucas e eu deixo tudo para você:

Uma coleira mastigada em uma das extremidades, sandália rasgada, muitos buracos e uma vasilha de água que se encontra rachada na borda.
Deixo para você a metade de uma bola de borracha e uma porção de ossos enterrados no quintal. Além disso, eu deixo para você a memória, que aliás são muitas.
Deixo para você a memória de dois enormes e meigos olhos, marrons, de uma caudinha curta e espetada, de um nariz molhado e de choradeira atrás da porta.
Deixo para você uma mancha no tapete junto a porta quando nas tardes de inverno eu me apropriava daquele lugar, como se fosse meu, e me enrolava feito uma bolinha para pegar um pouco de sol.
Deixo para você um quintal esfarrapado em frente a cozinha, que dificilmente vai ser consertado...isso é verdade.
Deixo para você um esconderijo de um osso que fiz no jardim debaixo dos arbustos perto da varanda da frente. Ele deve estar cheio de folhas agora e por isso talvez você tenha dificuldades em encontrá-lo. Sinto muito!
Deixo também só para você, o barulho de latido que eu fazia ao sair correndo sobre as folhas do jambeiro.
Deixo ainda, a lembrança de momentos pelas manhãs, quando você acordava e abria a porta e pulava em cima de você. Recordo-me das suas risadas, porque eu não consegui alcançar aquele gato impertinente.
Deixo-lhe como herança minha devoção, minha simpatia, meu apoio quando as coisas não iam bem, meus latidos quando você levantava a voz aborrecido... e minha frustração por você ter brigado comigo.
Eu nunca fui à igreja e nunca escutei um sermão. No entanto, mesmo sem haver falado sequer uma palavra em toda a minha vida, deixo para você o exemplo de paciência, amor e compreensão.
Sua vida tem sido mais alegre, porque eu estive ao seu lado!
  
Atos.

"Descanse em paz"

segunda-feira, outubro 20, 2014

Você não me conhece.



Você não me conhece. Eu não conheço você. Por mais que possa ser uma pessoa próxima, definitivamente não faço ideia do que existe por aí por dentro. Só sei aquilo que me mostra, e certamente é muito pouco. Infelizmente cada um de nós é apenas um. Eu sou apenas eu, ele é só ele, você não passa de você. Por isso, só enxergo o mundo com os meus olhos, da única forma que sei. Carrego minhas dores, mas desconheço as suas. Muitas vezes até as ignoro. E você muitas vezes ignora o que eu sinto, não entende o que eu digo, não enxerga o que lhe mostro. Cada um te sua bagagem, seus medos, suas cicatrizes, seu motivo para ser exatamente o que é. Muito cuidado ao apontar o dedo. Eu não sei o que é ser você, não sei nem se conseguiria. Por isso te respeito, e exijo que faça o mesmo. É fácil do meu andar cambaleante, difícil é carregar nos ombros o peso que carrego.



"Pare de se preocupar com coisas que você não pode controlar."

domingo, setembro 28, 2014

Um mistério.




A gente nunca sabe quando tudo vai mudar ou até mesmo se um dia vai mudar. A gente nunca sabe se o "pra sempre" um dia se tornará "nunca mais". A gente nunca sabe se vai viver até o final do dia, e se viver, a gente também não sabe o que vai ser de nós no amanhã. A gente nunca sabe, mas talvez não seja para sabermos. Ouvi dizer que as pessoas que se lançam à descoberta desses mistérios costumam ter dois finais na vida: ou ficam loucas, ou viram poetas. O que, se formos colocar numa balança, acaba sendo a mesma coisa.


"O pior desafio é tentar esquecer aquilo que já te fez feliz."

quarta-feira, setembro 03, 2014

A moeda.



Acho que lá no fundo, bem lá no fundo mesmo, toda mulher sonha com isso sabe? Com aquele cara que será diferente dos outros e que um dia chegará para não mais partir. Pois bem, certa vez achei que tinha acontecido comigo, e a certeza foi tamanha, que tenho tido problemas para me reencontrar. Talvez você ache bobo o que vou dizer aqui, mas às vezes sinto como se antes de nascer cada uma de nós recebêssemos uma moeda de ouro e a missão dessa vida seria então escolher uma fonte certa onde arremessá-la. E olha que eu sempre guardei minha moeda com muito zelo, treinei a mira e calculei o vento, esperei a hora certa de jogá-la e mesmo assim, quando decidi arremessar saiu tudo errado. Na verdade ainda não sei se errei de fonte ou se foi no arremesso, mas o fato é que depois disso tem sido difícil recomeçar. Tudo porque quando se erra uma vez e esse erro deixa uma marca profunda, então você não se permite acreditar novamente. Desde então tenho achado as fontes por aí sem graça. Às vezes o formato chama atenção mas a água é suja. Outras vezes passo direto sem nem mesmo reparar. Quase sempre me pego pensando na minha moeda, naquela fonte, no meu arremesso, no que poderia ter feito diferente. Tolice minha. Moeda lançada não volta atrás. Vez ou outra o pessimismo me deixa respirar e acho que lá no fundo, bem lá no fundo mesmo, toda mulher tem uma força que às vezes desconhece. Por isso  vez em quando uma fagulha de esperança queima aqui dentro. Esperança da moeda arremessada ter sido de bronze, de um dia estar mexendo numa bolsa antiga e encontrar minha moeda dourada perdida lá no fundo, ou quem sabe uma hora andando distraída eu tropece e caia, de roupa e tudo, de corpo inteiro, com  a bolsa e todas as moedas, dentro da tal fonte. Talvez assim as coisas possam dar certo. Essa sou eu tentando acreditar de novo. Pra dizer a verdade, talvez eu nem saiba o que realmente faz uma fonte ser melhor que a outra ou uma moeda valer mais. O que sei é que ainda me dói aquela moeda que perdi. A dor do rigor de uma Lei que eu mesmo criei. Vejam só vocês que bobagem. Como se na vida cada um de nós só tivesse uma chance de ser feliz.


"Gosto de observar os detalhes que ninguém mais vê."

quarta-feira, agosto 06, 2014

Se perdoar.



Chega um dia em que você se perdoa. Pelos erros cometidos, pelas chances desperdiçadas e pelas escolhas mal feitas. E isso não por acomodação ou fraqueza, mas porque a maturidade te ajuda a reconhecer e respeitar suas razões e seus limites. Então você para de se cobrar por aquele sonho incompleto ou por aquele relacionamento que chegou ao fim. Entende que cada um só pode dar aquilo que tem e que nem sempre o seu melhor é suficiente. Aceita também que a vida é um ir e vir infinito e que certas coisas e pessoas realmente chegam com o propósito de partir, de deixar saudade ou de deixar um aprendizado. Compreende que em muitas situações passadas você foi obrigado a tomar decisões as quais ainda não estava preparado, e aí cria forças para reescrever o que foi mal escrito. Aceita que as pessoas que você ama também tem o direito de errar, que a distância não destrói amizades verdadeiras, que as opiniões adversas são as que te fazem crescer, que o medo é um combustível poderoso, que a saudade é uma cicatriz que vale a pena carregar e que a culpa é uma cela onde o carcereiro e o prisioneiro são a mesma pessoa. E então depois percebe que tudo isso, você faz as pazes consigo mesmo e encara a vida com mais serenidade. Porque você entende afinal que precisa ser sempre o primeiro a se perdoar, já que é o único que conhece verdadeiramente seus motivos.



"...tenho pressa de ser feliz!"

quarta-feira, julho 09, 2014

Recomeçar, pra valer.



Admito, finalmente, estou mudando. Mas, na verdade, não sei explicar se pra melhor ou algo do tipo. Decidi recomeçar. Refazer os planos. Olhar pra frente (de verdade) e ver a bateria de sonhos que tenho pela frente. Começar a empilhar realmente os tijolos desse arranha- céu que eu chamo de vida. Conhecer pessoas novas, sonhos alheios, aprender coisas diferentes. Preciso de um pouco de amor próprio, amor pelas minhas cosias, acreditar mais que eu posso. Acostumar a uma vida independente. Respirando sozinha. Andando sozinha. Vivendo sozinha.


"Apenas seguir em frente. Primeiro, porque nenhum amor deve ser mendigado. Segundo, porque todo amor deve ser recíproco."

quarta-feira, maio 28, 2014

Luta.



Alguns dias são mais difíceis que outros. Algumas horas são mais longas que outras. Alguns minutos são mais demorados que outros. Da mesma forma, algumas lutas são mais difíceis, longas e demoradas que outras. Duram dias, meses e até anos. Mas assim como os dias difíceis, as horas longas e os minutos demorados passam, as lutas também passam. Toda batalha chega ao seu fim. Se saímos vitoriosos ou não, depende da maneira como enfrentamos nossos inimigos, com fé e sem medo.


 "Porque as vezes, ser você mesmo se torna a coisa mais difícil do mundo."

quinta-feira, maio 01, 2014

Recomeço.



Recomeçar. Eis uma coisa difícil de se fazer quando um dia sua vida depende de alguém e no outro só depende de você mesma. Talvez recomeçar seja recuperar o tempo que perdi, trazer pra perto quem acabei afastando, dançar as músicas que não dancei, sorrir os sorrisos que chorei, conhecer as pessoas que poderia ter conhecido… RECOMEÇAR. Seja dar uma razão pra minha vida, trilhar um novo caminho, recuperar meus sonhos antigos e sonhar novos sonhos. RE-COMEÇAR.



"O que vier que seja bom, que me traga paz, que me leve além, amém."

sexta-feira, abril 25, 2014

Qualidade.



Nós fazemos o nosso melhor, mas às vezes, isso não é bom o suficiente. Apertamos o cinto de segurança, usamos um capacete, nos atemos aos caminhos iluminados, tentamos ser seguros. Tentamos nos proteger do caos, mas as vezes não faz a mínima diferença . Porque quando as coisas ruins vêm, elas vêm do nada. As coisas ruins vêm de repente, sem nenhum aviso. E então nos esquecemos de que, por vezes, é assim que as coisas boas vêm também.


"Não se iluda com as quantidades, você pode demorar dois dias pra ler um livro que se esquecerá duas semanas depois, assim como pode demorar dois minutos pra ler uma frase que te fará refletir pelas próximas duas décadas. Linhas não definem sentimentos, e a palavra certa é aquela que toca uma parte sua que você nem sabia que tinha."