sexta-feira, julho 30, 2010

Para mim, pessoas são como textos...


Há quem prefira somente o título, a frase solta, em letras grandes, chamativas, mas não passa de uma linha. Títulos são convidativos, objetivos, as vezes até poéticos, mas que os próprios textos em si porém são sempre fugazes. Algumas pessoas são apenas títulos.

Há quem prefira epígrafe, frases também curtas, em sua maioria colocadas entre aspas por expressarem pensamentos alheios, porém que tem a ver com o conteúdo abordado. Epigrafes encantam, surpreendem, causam impacto ao texto, contudo, são furtos, pensamentos de outrem. Algumas pessoas são epigrafes!

Há quem prefira rodapé, que se contentam com letras miúdas, quase imperceptíveis, que se não estiveram sobre os olhares atentos, passam batidas. Muitos até dispensam os rodapés, por os acharem sem a menor importância, porém essas miudezas escondidas no final das páginas geralmente trazem explicações importantíssimas. Algumas pessoas são como rodapés.

Contudo, há quem ( Eu me encaixo nesse caso) prefira o texto inteiro: Título, epígrafe, desenvolvimento e rodapé! São mais difíceis de serem entendidos no seu todo. Levam mais tempo, requerem reflexão, calma e tranquilidade. Mas nada paga o gostinho de o ter "devorado" em sua totalidade, até que se chegue em seu ponto final.

Ponto final?

AH! Já ia esquecendo: Eu prefiro acabar com as reticências...

Nenhum comentário:

Postar um comentário