domingo, agosto 29, 2010

Atitudes



Palavras me conquistam temporariamente,
mas atitudes me ganham ou me perdem para sempre.

sábado, agosto 28, 2010

Morro de medo...



Meu maior medo é viver sozinho e não ter fé para receber um mundo diferente e não ter paz para se despedir.
Meu maior medo é almoçar sozinha, jantar sozinha e me esforçar em me manter ocupada para não provocar compaixão dos garçons.
Meu maior medo é ajudar as pessoas porque não sei me ajudar.
Meu maior medo é desperdiçar espaço em uma cama de casal, sem acordar durante a chuva mais revolta, sem adormecer diante da chuva mais branda.
Meu maior medo é a necessidade de ligar a TV enquanto tomo banho.
Meu maior medo é conversar com o rádio em engarrafamento.
Meu maior medo é de enfrentar um final de semana sozinho depois de ouvir os programas de meus colegas de trabalho.
Meu maior medo é a segunda- feira e me calar para não parecer estranho e anti- social.
Meu maior medo é escavar a noite para encontrar um par e voltar mais solteiro do que antes.
Meu maior medo é não conseguir acabar uma bebida sozinha.
Meu maior medo é a expectativa de dar certo na família, que não me deixa ao menos dar errado.
Meu maior medo é escutar uma música, entender a letra e faltar uma companhia para concordar comigo.
Meu maior medo é que a metade do rosto que apanho com a mão seja convencida a partir com a metade do rosto que não alcanço.
Meu maior medo é escrever para não pensar!

domingo, agosto 22, 2010

Cores, formas e tons



Quais os tons que você anda usando para pintar sua vida?
Os quentes? Que apimentam, esquentam, aquecem?
Os pasteis? Que tranquilizam, adoçam, harmonizam?
Os frios? Que neutralizam, acalmam, adormecem?
Já parou para pensar que a beleza das coisas; suas cores, seus tons, suas formas e até mesmo sua intensidade, depende tão somente dos olhos que as vê?
Filtre o que não te faz bem...
Abstraia o que não for para ficar...
E deixe que caiba apenas aquilo que flui!
O resto?
Ah... o resto sempre sai pela urina!

quinta-feira, agosto 19, 2010

O vento

Eu levanto a vela e espero o vento!
Abro os braços diante desse mar desconhecido, que me atrai intensamente, que me chama a mergulhar!
Eu quero o salto mais alto, mais demorado...
Quero sentir o vento em meus braços, erguendo meus pés do chão.
Quero ver o mundo de cima, do alto...
Ecoar meus desejos mais escondidos, mais humanos e mais divinos.
Que o vento assanhe meus cabelos. É tudo o que eu mais quero agora!
Que Deus beije minha face em forma de brisa leve mas que me tire do lugar em forma de tufão.
Eu quero a força de um furacão dançando dentro de mim!

terça-feira, agosto 17, 2010

Reencontro


"Amor é isto: a dialética entre alegria do encontro e a dor da separação.
De alguma forma, a gota da chuva aparecerá de novo, o vento permitirá que velejemos de novo, mar afora.
Morte e ressurreição. Na dialética do amor, a própria dialética do divino.
Quem não pode suportar a dor da separação, não está preparado para o amor.
Porque o amor não é algo que se tem nunca. É um evento de graça.
Aparece quando quer, e só nos resta ficar a espera. E quando ele volta, a alegria volta com ele.
E sentimos então que valeu a pena suportar a dor da ausência, pela alegria do reencontro."

Rubem Alves

domingo, agosto 15, 2010

Assim...


Por que insistir em molhar apenas as solas dos pés, se eu posso (eu quero) mergulhar?
Por que ficar comendo um chocolate por dia, se o querer é de engolir uma fábrica de chocolates inteirinha?
Pra que ficar brincando de jogo da verdade, se eu posso ter de verdade?
Por que se contentar com superfícies, sabendo mais que tudo que não nutro o menor tesão por nadar raso?
Sabe aquela horinha que você cansa de bancar a menininha boba, que se contenta com qualquer coisa?
Essa hora chegou ao fim!!

quarta-feira, agosto 11, 2010

sem avisos


Não sou um tipo de pessoa fácil.
Nunca disse que seria.
Tenho minhas convicções. Convença-me que as tuas são melhores e eu prometo rever meus conceitos, mas não me mande abandonar aquilo que aprendi a carregar por toda a vida, por uma mera conveniência...
Acredito com toda a força que um dia conseguirei o que sempre sonhei, desta forma, odeio ter ao meu lado pessoas pessimistas, choronas e com auto-estima baixa. Em um mundo com tantas desgraças, o que será de nós se nos colocarmos sempre como "desgraçados"?
Não... O desânimo definitivamente no que depender de mim, morrerá de fome!
Também não sou de alimentar tristezas. Não sou das que colocam músicas que lembram sentimentos contráriados, ou tragédias pessoais.
Sim... Eu acredito no amor! Acredito com todas as forças que ele existe.
Não que ele me venha montado em cavalos brancos, ou pulando janelas ou pedindo minha mão em casamento. Nada disso.
Prefito o amor simplicidade, o amor peculiar, o amor que não marca a hora nem data pra chegar!

Remar... Re-amar.. Amar!!


Eu entro nesse barco, é só me pedir.
Nem precisa do jeito certo, só dizer e eu vou.
Eu abandono tudo, história, passado, cicratizes.
Mudo o visual, deixo o cabelo crescer, começo a comer direito, vou todo dia pra academia.
Mas você tem que remar também.
Eu desisto fácil, você sabe.
E talvez essa viajem não dure mais do que alguns minutos, mas eu entro nesse barco é só me pedir.
Perco o medo de dirigir a noite na estrada só pra atravessar o mundo pra te ver todo dia.
Mas você tem que me prometer que vai remar junto comigo.
Mesmo se esse barco estiver furado eu vou, basta me pedir.
Mas a gente tem que afundar junto e descobrir que é possível nadar junto.
Eu te ensino a nadar, juro!
Mas você tem que me prometer que vai tentar, que vai se esforçar, que vai remar enquanto for preciso, enquanto tiver forças!
Você tem que me prometer que essa viajem não vai ser a toa, que vale a pena.
Que por você vale a pena. Que por nós vale a pena.
Remar.
Re-amar.
Amar!


(Autor desconhecido)

sexta-feira, agosto 06, 2010

Feliz final de semana dos pais...Porque um dia é pouco demais!!


Abrir clareiras...
Acender fogueiras...
Clarear!
Claridade que corta a fria neblina, que desenha rastros na terra úmida, que ilumina a obscura floresta. Claridade que afugenta os males, que silencia os ruídos, os murmúrios, as lamentações. Claridade que encadeia os olhos do corpo, para fazer ver os olhos da alma.
Claridade infinita, permanente.
Do Aurélio tem-se: Qualidade do que é claro, luz viva e intensa, foco luminoso, brancura, alvura...
As significações são muitas e as formas de utilizá-las podem variar. Contudo, a claridade torna-se magnífica quando deslocada da categoria do substantivo para a de adjetivo. Quando deixa de qualificar um objeto para qualificar uma pessoa.
Uma pessoa tem em si a claridade, quando possui objetivos bem traçados, e embora não sabendo o caminho que seguirá, sabe muito bem o ponto onde que chegar.
Uma pessoa traz a claridade em si, quando é puro de coração, quando pratica o bem, fala o que faz, e faz o que acredita. Quando não se vê como personificação da perfeição, embora que a todo tempo busque-a em tudo que for fazer.
Pessoas desse tipo são invejadas, imitadas e muitas vezes desprezadas.
E por que?
Pelo simples fato de serem tão claras, que apenas poucos podem olhá-los sem que sejam ofuscados pela sua luminosidade.
Você é CLARIDADE!
É claridade para mim desde a primeira vez que meus olhos recém-nascidos te viram...
É claridade todas as vezes que lembro das broncas da adolescência, das piadas só nossas, das brincadeiras que só nós entendemos, do jeito meu que é tão teu e do teu que é tão meu!
Tua claridade estará em mim, mesmo quando um dia eu não puder mais ver-te.

Feliz dia dos pais!

quinta-feira, agosto 05, 2010

"... saber amar! "


Sabe aquela pessoa com que você mais sorriu nos últimos tempos?
AME-A.
Sabe aquele pessoa que mais te viu descabelada, com unha mal feita, roupa furada e chinelo de dedo?
AME-A.
Sabe aquela pessoa pra quem você liga quando esta sem fazer absolutamente nada, e com quem você fica horas conversando a maior bobagem da galáxia?
AME-A.
Sabe aquela pessoa que mais te deu o ombro pra que você chorasse?
AME-A.
Sabe aquela pessoa que sabe decorado o perfume preferido, a cor, a música, a comida, o sonho, o medo?
AME-A e nunca a deixe partir, mesmo que um dia isso seja inevitável!




"Amar sem penar é bem raro... O verbo cumprir custa caro... Amor é bem fácil de achar... O que acho mais difícil... é saber amar!"

Cartola