sexta-feira, agosto 06, 2010

Feliz final de semana dos pais...Porque um dia é pouco demais!!


Abrir clareiras...
Acender fogueiras...
Clarear!
Claridade que corta a fria neblina, que desenha rastros na terra úmida, que ilumina a obscura floresta. Claridade que afugenta os males, que silencia os ruídos, os murmúrios, as lamentações. Claridade que encadeia os olhos do corpo, para fazer ver os olhos da alma.
Claridade infinita, permanente.
Do Aurélio tem-se: Qualidade do que é claro, luz viva e intensa, foco luminoso, brancura, alvura...
As significações são muitas e as formas de utilizá-las podem variar. Contudo, a claridade torna-se magnífica quando deslocada da categoria do substantivo para a de adjetivo. Quando deixa de qualificar um objeto para qualificar uma pessoa.
Uma pessoa tem em si a claridade, quando possui objetivos bem traçados, e embora não sabendo o caminho que seguirá, sabe muito bem o ponto onde que chegar.
Uma pessoa traz a claridade em si, quando é puro de coração, quando pratica o bem, fala o que faz, e faz o que acredita. Quando não se vê como personificação da perfeição, embora que a todo tempo busque-a em tudo que for fazer.
Pessoas desse tipo são invejadas, imitadas e muitas vezes desprezadas.
E por que?
Pelo simples fato de serem tão claras, que apenas poucos podem olhá-los sem que sejam ofuscados pela sua luminosidade.
Você é CLARIDADE!
É claridade para mim desde a primeira vez que meus olhos recém-nascidos te viram...
É claridade todas as vezes que lembro das broncas da adolescência, das piadas só nossas, das brincadeiras que só nós entendemos, do jeito meu que é tão teu e do teu que é tão meu!
Tua claridade estará em mim, mesmo quando um dia eu não puder mais ver-te.

Feliz dia dos pais!

Nenhum comentário:

Postar um comentário