quarta-feira, setembro 29, 2010

Coragem.


Eu passeio pela vida como quem anda sobre o fio da navalha.
Não admito me privar dos riscos que posso correr.
Não suporto sair por aí vestida de uma armadura, somente para que as lanças (muitas vezes venenosas) de outrem não cheguem até mim.
Eu gosto mesmo é de pagar pra ver.
De dar cara ao tapa, sabendo que assim como posso apanha, também posso bater!
Nada de se esquivar, se esconder ou fugir.
Admitir fraqueza diante de um obstáculo que se tentou ultrapassar é uma coisa, mas correr antes mesmo de ver sua altura, isso fica para os covardes.
E como bem diz aquela frase que eu adoro repetir:

" Eu nunca fui covarde, nem mesmo nas minhas desistências. "

Eu junto meus pedaços e me costuro... Sempre!

sábado, setembro 25, 2010

"TIC TAC..."



Carimbar no dia que começa um sorriso de orelha a orelha.
Tatuar a alegria na palma da mão e fecha-la para que ela não se solte jamais.
Prender os cabelos com as flores estação, trazê-las ainda nos bolos, na gola do paletó...
Ecoar a felicidade em todas as esquinas, nas ruas por onde passar, nas portas alheias.
Fazê-la proliferar, como uma doença contagiosa, uma pandemia sem cura!
Eu quero é a dança do tempo, o gosto das coisas, o cheiro dos sons, a letra das músicas, a rima sem rima.
Eu quero a totalidade da vida, a inesgotável totalidade das horas que se acabam...
Tic tac tic tac...
Vida!

quinta-feira, setembro 23, 2010

"Tempus Fugit"



É meus amigos... O tempo corre e nem damos conta disso!
Sabem por quê?
Horas, minutos, segundos... Toda sua vida planejada e calculada. De que adianta tanta organização se não dermos importância ao que somos e aos que nos rodeiam?
Nesse mundo corrido, nos tornamos robôs de uma sociedade capitalista onde desde pequenos aprendemos a agir pela razão e muitas vezes acabamos por esquecer que dentro de nós existe um coração.
Vivemos a sociedade da frieza, onde demonstrar sentimentos é brega e ultrapassado! Acabamos esquecendo a satisfação de ver um belo filme e acabar emocionada pelo mesmo, de acordar de madrugada para fazer o café quentinho, de andar de mãos dadas, de apreciar o pôr-do-sol...
Não damos importância ao sorriso verdadeiro de uma criança ao ganhar um doce, a alegria de um velhinho ao escutar a música que lhe fez tanto bem em sua juventude... Somos uma sociedade que esqueceu-se de encantar-se... Uma sociedade sem passado, sem lembranças!
"Ter passado" é diferente de "viver o passado"... Ter passado é trazer em nós aquela saudade do que vivemos, embora saibamos que na marcha da vida não podemos voltar no tempo...Ter passado é não nos desfazer das lembranças que nos fizeram tanto bem, mesmo sabendo o que vivido já passou, ficando apenas guardado no baú da nossa memória. Ter passado é saber que nos caminhos da vida nos perdemos de alguns, nos encontramos com outros e que tudo tem seu propósito de ser e acontecer.
Ter passado é reconhecer a importância das pessoas, dos caminhos, das quedas e das perdas.
É compreender que o tempo passou, que deixou marcas em nosso rosto, em nosso coração, em nossa vida...
Ter passado é reconhecer os erros, e reconhecer-se como aprendiz.
É tirar uma lição a cada nascer do sol. E a cada sol que se põe ter a oportunidade de torna-se um homem novo, renovado pelo amor!
Tempus Fugit!
O tempo passa... A vida corre!
É necessário então despertarmos e abrirmos nossos olhos para que muitos não querem ver, usando o passado como ferramenta na melhoria do presente. E o futuro? O futuros nos aguarda.

terça-feira, setembro 21, 2010

Adrenalina!!



Nem tudo que reluz é ouro. Nem tudo que seduz desperta-nos algum sentimento.
Nem todo abismo é fundo como parece e nem toda estrada tem seu percurso linear.
Eu gosto mesmo de descobertas, do não escrito, do não dado, do "sem manual".
Eu gosto de caçar borboletas em grutas escuras, de empinar pipa no vendaval e dançar tango em terremotos. Eu gosto da adrenalina!
Eu gosto mesmo é do que faz tremer as pernas, saltar o coração e secar a boca; como um salto no horizonte, como um pulo no vácuo da imensidão.

Que venha!!

sexta-feira, setembro 17, 2010

O bem...


Tenho andado meia abusada de determinada coisas ( e pessoas!)*.
Acho que isso não é algo fora do normal, muita gente abusa muita coisa e eu já tive momentos como esse antes. Então, o que de interessante existe nisso, que eu ache pertinente para estar aqui agora escrevendo sobre?
A importância reside no fato de que, determinadas coisas que ocorrem conosco, se somatizadas, se tornarão patologia. Isso é verdade gente!
O meu abuso tá sendo refletido no meu corpo, ao ponte de, quando em momentos quaisquer, uma vez lembrando determinada coisa (ou pessoa)* chego a sentir náuseas, arrepios e etc etc etc.
Imaginem agora: Se um simples "abusinho" é capaz de fazer isso, pensem agora naquelas pessoas que nutrem o ódio por outras, o que não devem sentir?
Gosto de refletir sobre as coisas me incluindo nelas. Odeio aquela história de "pimenta no olho do outro é refresco", prefiro pensar, e se a pimenta tivesse no meu olho?
Pensem nisso vocês também!
Já dizia Paulo Coelho: Todos nós temos 2 cachorros interiores. Um manso, outro feroz.
Qual prevalecerá? Aquele a quem você melhor alimentar!
Alimentem o bem... O mal deixem morrer de fome!

quarta-feira, setembro 15, 2010

É...



Dei para pensar que sou tipo de pessoa que gosta de auto destruir, tenho bebido demais para enganar minha dor, sorrido demais para disfarçar meu desespero, frequentando demais lugares que não gosto, tenho dormido pouco e minhas olheiras no outro dia mostram que eu não sei amar.
Ninguém percebe, ninguém nunca percebe.
Nada que é metade me interessa, quero as coisas inteiras, muito integras e acabo ficando sozinha.
Restos não me interessam, chegue a mim com toda força do seu coração ou nem chegue.
Estou sentido outra vez os sinais do amor e dói, simplesmente porque ser intensa já é ser toda dolorida.
Tudo que eu desejo, tudo que eu quero, tudo que eu gosto... quanto percebe essa intensidade foge de mim, então eu te peço, não fuga, não se perca, não ME perca!
Eu sei que não é fácil, mas vai ser mais difícil sozinho.
Vem comigo, vamos descobrir as estrelas, cantar canções e fazer nada no domingo.
Só te peço uma coisa: não demora.
A vida me ensinou que por mais que eu queira alguém, absolutamente NINGUÉM vale tanto a pena a ponto de eu deixar de me querer bem.
Não transforma o meu tudo em nada...

terça-feira, setembro 14, 2010

Acredite.




"Amor, então, também acaba?Não que eu saiba.
O que eu sei é que se transforma numa matéria- prima
que a vida se encarrega de transformar em raiva.
Ou em rima."

Paulo Leminski

Não... Definitivamente ele já não rima mais comigo.
É algo assim descompassado, poema dadaísta, coisa sem sentido mesmo; qualquer tentativa de juntar o nome dele ao meu.
Não sei. Mas quero que seja assim.
Embora o que tiver de acontecer, acontecerá independente das minhas vontades, mesmo sabendo que estas ajudam a mover o universo (ou pelo menos o meu!).

Acredito nisso... sempre!

sábado, setembro 11, 2010

Preciso.


Preciso de mais coragem.
Preciso parar de me desdobrar para alcançar uma coisa que já foi embora.
Preciso compreender melhor que você não quer que eu voe contigo.
Preciso aceitar que minha esperança tá cada vez mais longe do meu sonho.
Preciso parar de me doer e tentar sorrir para o amor mesmo eu não o alcançando mais.
Preciso entender que ninguém tem a obrigação de completar o que eu acho que me falta. O problema é que sempre que eu digo que "não me importa", me importa e muito. Aprendi que não adianta gritar, quebrar as coisas, chorar, querer morrer... se não for pra ser, não vai ser. Mas só queria entender porque quando a gente demonstra sentimento a coisa se perde a toa, é que sei lá, hoje acordei com uma saudade e ao mesmo tempo com uma compreensão tão estranha. O que se pode fazer não é mesmo? Me doeu muito, me doí as vezes (quase sempre)... no começo me pareceu tão egoísta, mas quem sou eu para querer julgar o que se passou na cabeça dele naquele momento? Quem sou eu para querer discutir dos sentimentos dos outros? Preciso entender e as vezes acho que entendo, que enquanto eu o desejava ele desejava outra coisa. Sem ódio, sem rancor, somente aceitação. E o que eu realmente preciso é viver intensamente o presente porque ele também vai virar passado no futuro e eu sei também vou sentir a falta dele.

quarta-feira, setembro 08, 2010

Esqueça.



Esqueça tudo que te atormenta, deixe de lados os medos, os desesperos.
Olhe no espelho e se pergunte, o que mais vale a pena além de você?
Quem é que te socorria naquelas noites em que o ar te faltava e o choro não te deixava esquecer?
Quem é que te escutou quando você precisava dizer coisas sem sentidos?
Quem é que viveu seu maior pesadelo com você? Seja o que você quiser, vamos não tenha medo!
Esqueça. Esqueça as promessas que não foram cumpridas, os sonhos que foram se perdendo no caminho, a falta de esperança.
Recomece, tudo que precisa está dentro de você, dentro do seu coração que vê melhor do que qualquer binóculo, dentro da sua alma que voa mais longe do que qualquer pássaro, dentro do seu olhar que se você deixar pode brilhar mais do que qualquer estrela, dentro do seu sorriso que é capaz de desarmar o mundo.
Você sabe que quando a gente precisa a gente faz, quando a gente quer a gente consegue.
Quantas vezes você achou que não ia suportar?
Quantas vezes te falaram que não valia a pena?
Quantos "dragões" você já enfrentou?
Você consegue, você é um sonhador, você enfrentou todas as suas dores com uma coisa chamada AMOR.
Você é forte, não desista, porque você e eu sabemos o quão absurdo é olhar para uma estrela e não poder tocá-la. Não queira olhar muito para trás e nem muito para frente, a felicidade está aí, basta olhar ao lado.

domingo, setembro 05, 2010

(Sol)riso.



Sou composta de cansaço, delírios e poesia. A substância que me anima, também pode me desanimar.
Trago sol no (sol)riso, embora algumas vezes faça inverno em mim.
Composta de cansaço sim...
Causam- me cansaço amores com hora marcada para começar e terminar.
Palavras ensaiadas, poemas decorados, música que vem apenas da garganta para fora, e não das vísceras.
Sou toda vísceras, da cabeça aos pés. Meu sangue fervilha, minha pele queima, minhas ideias borbulham.
Causam-me cansaço sorrisos amarelos, mau humor cronico, falta de criatividade, desânimo diante do espetáculo da vida, desencanto.
Sou toda encantamento, do nascer ao pôr do sol!
Causam-me cansaço falta de inteligência, falta de educação, de perspectiva, de busca. Sonhos pequenos, pensamentos mesquinhos, hipocrisia em excesso (afinal, quem de nós não foi hipócrita ao menos uma vez?).
Sou toda busca, para mais tarde me tornar encontro!
Causam-me cansaço racionalidade que beira a frieza e emoção que beira a loucura. Paixão que beira a idolatria e amor que beira a doença. Sou de 15 de outubro, sou libra, sou equilíbrio!
Causam-me cansaço o tempo que passa sem parar e o que corre sem que o deixem notar. Dias demorados, problemas que se alongam, caminhos lineares, atalhos.
Causam-me cansaço a constância, a permânencia, a não totalidade das coisas e a falta de paixão pelo ser humano. Não nasci para metades, não vivo de metades! Sou composta por metamorfoses. Sou mais humana que divina, embora traga em meu ser as digitais de Deus que me criou para amar, para o amor!

quinta-feira, setembro 02, 2010

Não vá.





Tomara que você volte depressa, que você se despeça nunca mais do meu carinho e chore, se arrependa e pense muito que é melhor sofrer junto do que ser feliz sozinho.
Tomara que a tristeza te convença que a saudade não compensa que a ausência não dá paz e o verdadeiro amor de quem se ama tece a mesma atinga trama que não se desfaz.
E a coisa mais divina que há no mundo é viver cada segundo como nunca mais...

quarta-feira, setembro 01, 2010

Certo e errado.




"Do your right and not your wrong, when wrong is easy, and right is hard, and we´ve all got our waeknesses and only you know what your is. But your "tomorrows" are all that seem to escape from your lips..."

Tradução:

"Fazer o que é certo e não o que é errado, quando o errado é fácil e o certo é difícil, e todos temos as nossas fraquezas e só você sabe o que é seu. Mas seus "amanhãs" é tudo que parece escapar dos seus lábios..."