quinta-feira, abril 19, 2012

O que me move.


Eu não sou auto-suficiente. Eu preciso de palavras bonitas com a mesma freqüência que preciso ir ao banheiro quando minha bexiga aperta, ou tomo água quando a garganta seca.
Eu sou movida a palavras, a sentimentos. Nunca um “eu te amo” fez tanto efeito sobre mim. Eu gosto de abraços fora de hora, de sentimentos demonstrados. De gente sorrindo, de olho brilhando, de lagrimas de emoção.
Eu gosto do simples. Eu gosto das gargalhadas nas horas certas, gosto dos beijos roubados. O que me move são as surpresas, são as noticias boas.
O que me alegra são meia dúzia de palavras bonitas, de sentimentos bons.
Não sinto necessidade de presentes, algumas boas palavras, um texto improvisado, umas flores inesperadas, tudo isso mexe muito mais comigo. Tudo isso me faz acordar sorrindo pro mundo por um mês no mínimo. Atitudes, palavras, bom censo, abraços, carinhos, é isso que me move.

domingo, abril 08, 2012

Emoção e Razão.



Hoje me aconteceu um fato um pouco irônico. Estava dentro do ônibus e sentei ao lado de uma menina que estava com o celular na mão. Tentei disfarçar da melhor maneira possível, mas acompanhei passo a passo o que ela estava fazendo com apenas uma espiadinha de canto de olho. Ela digitava uma SMS enorme, ia pra enviar, esperava alguns minutos e deletava a SMS. Repetiu o processo durante umas 4 vezes no mínimo, e sempre desistia. Depois ela olhava a foto que estava como plano de fundo, e creio eu que era ela e o namorado. Ou ex né. Virava o celular, revirava, futucava, olhava de 5 em 5 segundos, e sempre com uma carinha triste no final. Saquei na hora o que estava acontecendo, qualquer um que estivesse no meu lugar sacaria. Essa briga entre o coração e a razão, de querer ir atrás e não poder, de querer pedir desculpas para não perder… Machuca, sei bem como machuca. E minha vontade foi de chegar pra ela e dizer “EU TE ENTENDO MENINA!”, mas ninguém entende, ninguém compreende, ninguém vai poder ajudar. Só sabe como dói uma ferida, quem realmente foi ferido.


Ultimamente não espero nada.
Não estou afim de me surpreender, muito menos me decepcionar.