sábado, maio 12, 2012

Mais um.


Me disseram, um dia, para eu não esperar do outro aquilo que ele não poderia me dar. Esperei anos por isso, apenas para poder entender o porquê, que nem sempre vem de imediato mas que de alguma forma sempre aparece. Percebi que nem sempre o que você quer receber é o que o outro quer dar, e vice-versa. Vida. Tive tanto medo desta a ponto de parar de viver. Já quis por um momento desistir do que ela me proporcionou e dos desafios que me concedeu. E agora...estou a frente de mais um deles.

quarta-feira, maio 09, 2012

Uma urgência.


Sentir uma dor grande, um aperto no coração. Uma saudade, uma falta, uma urgência. Procurei alguém pra desabafar, alguém que pudesse me ouvir e só. Alguém que não julgasse, não criticasse. Só emprestasse seu ouvido e braços quando eu enfim me debulhasse em lágrimas e precisasse de um abraço apertado e de preferência, sufocante pra tentar de alguma forma diminuir o machucado. Não achei ninguém. Diante de todos, não havia nenhum. É triste, mas será assim as vezes. Tendo que vencer, ultrapassar, superar todos os problemas sozinha, lamentando não ter nenhum ser disposto a me ouvir, quando eu precisava tanto falar, saberia que por mais tempo e palavras que usasse, ninguém entenderia o tamanho da falta que sentia ali. Ninguém seria capaz de pelo menos imaginar o tamanho que meu coração ficou só de pensar que tudo aquilo estava acontecendo. Ninguém saberia a vontade que eu teria – e tenho – de estar ao seu lado.
Tem se tornado tão grande, tão intenso, forte, profundo, largo, que nem eu mesma entendo, quanto mais eles....

sábado, maio 05, 2012

Perdida.


Eu tenho tantos momentos, tive tantos sentimentos, tive tanto passado. Sei lá, eu sempre achei que minha mente seria organizada, como se fossem pequenos escaninhos, cada lembrança, sentimento, fato, momento, relacionamento, pensamento e essas coisas toda em seu lugar, com uma 'etiqueta' indicativa do que era. E posso até dizer que minha mente era assim, meio que arrumada. Até que um furacão passou, desarrumou tudo, jogou indicações fora, trocou de lugar as coisas e eu me perdi. Minha mente hoje é um abismo de coisas, bagunçado a ponto de não saber como viver, como organizar, como arrumar tudo, como pegar as coisas e entendê-las. Passo muito tempo lendo e relendo algumas coisas para compreender o fato dela estar ali, tento entender porque outras foram jogados num lugar obscuro da minha mente. Cada pequeno detalhe se perdeu, meu modos se perderam e eu simplesmente não sei para onde seguir, como deixar e nem como começar a organizar cada coisa que vejo em mim mesma, como pode um alguém só fazer isso com a gente?