sábado, agosto 25, 2012

O que acontece dentro de mim.


 
 
Quase gritei que te amava, mas tranquei as palavras dentro dos dentes, mastiguei uma por uma a as engoli novamente. Mas elas correm de mim e quase se espremeram pelos meus olhos, eles brilhavam vendo coisas que não estavam diante deles, eles denunciavam o quão longe vagavam meus sentimentos. Meus dedos se enroscavam, eles queriam se abrigar em riscos e palavras, queriam que pichassem na parede da tua sala. Quase sussurei que te amava baixinho na tua orelha, ali que era o único lugar no mundo inteiro onde se precisava ouvir aquela confissão, mas também quis colar panfletos em toda rua, pra que mesmo quem não te conhecesse sentisse um tico de inveja daquele amor imenso que era tão seu. Senti vontade de dizer que te amava, uma força imperativa que agia sobre meus músculos, mas nunca expulsei aquelas palavras, elas eram gritos mudos sufocados dentro de mim. Mas você lembra, lembra quando segurei tua mão bem forte e fiquei te olhando nos olhos? Você sorriu e não entendia nada, não entendia que "eu te amo" não sai só pela boca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário